Algumas interessantes definições de marca

Se você for ao google, vai achar muitas definições e conceitos sobre o tema: marcas. Tudo bem, pode ser uma tema bastante explorado em torno de representação gráfica, atributos e etc. Porém, com uma enorme quantidade de negócios que surgiram nos últimos anos, surgiram marcas até “bonitinhas”  mas que carecem de um Propósito e Significado bem estabelecido.

Dentro do modelo econômico que tem por base a sociedade de consumo que vivemos, que é o Capitalismo, vivemos uma era da falta de tempo e excesso das informações. Alguns estudiosos já percebiam que desde 1980 aconteceu um aumento na disponibilidade de tecnologias, produtos e serviços. Com todo este aumento aconteceu que o conhecimento técnico dos produtos oferecidos foi ficando quase impossível, já que uma parte deles está envolvido em uma competição nacional ou até mesmo global.

Por esta razão, é preciso usar o aval de marcas em nosso processo de compras.

Entenda: a disponibilidade de tempo por parte das pessoas vem cada vez mais diminuindo. Os nossos hábitos vem sofrendo mudanças de acordo com as novas práticas de comportamento decorrente de uma rotina puxada, as vezes nossas decisões são feitas sem uma orientação sobre o produto e seus atributos, mas nós acabamos se identificando com a sua marca e suas promessas, conhecendo seu valor.

O Papel da marca é conduzir um aval de qualidade e auxiliar os consumidores neste contexto.

Brand (Marca em Inglês):  No Século XVIII Origem no escandinavo brandr (to burn, queimar) era chamada a ação que os donos do rebanho faziam para identificar seus animais ou produtos. As primeiras marcas que se têm conhecimento na história nasceram da necessidade de gravar a origem dos produtos.

Segundo a AMA – American Marketing Association:

“marca é um nome, termo, sinal, símbolo ou desenho, ou uma combinação dos
mesmos, que pretende identificar os bens e serviços de um
vendedor ou grupo de vendedores e diferenciá-los daqueles dos
concorrentes” (apud Pinho, 1996, p.14).

Essa definição da AMA é que eu particularmente adoto em uma conversa com amigos ou com pessoas que perguntam sobre o que eu penso sobre marcas.

Segundo Holt:

“Nomes, logotipos, embalagens e design são o que denominamos a parte tangível da marca, porém, esta ainda não tem uma história. A Marca é vazia e não existe. Ela carece de significado.”

Marcas fortes são construídas por meio de uma experiência total (Ex: Amazon, Spotify), ou seja, de um histórico consistente de promessa e entrega.

Em uma Adaptação de Arnold:

“Marcas são reconhecidas e entendidas em um nível emocional, de acordo o posicionamento pelo qual seus fundadores as conceberam.”

Segundo Blackett:

“As marcas permitem ao consumidor comprar com confiança e proveem um mapa que nos orienta por uma desconcertante variedade de opções. As marcas com patrimônio forte são profundamente assimiladas nos corações e nas mentes dos consumidores. O Poder real das marcas bem sucedidas é que elas vão ao encontro das expectativas daqueles que compram ou, em outras palavras, representam uma promessa que foi cumprida.”

Se você for ao google e em vários livros, vai achar mais significados.

Concluímos que, na verdade o que importa é o que está por trás da marca. Lembre se que marcas fortes chegam a ser respeitadas pelos concorrentes, e que prezam por uma experiência total, não se limitando apenas ao momento da venda.

Tem alguma definição que você acha interessante e queira compartilhar? Pode deixar nos comentários.

O Que você achou?

Muito obrigado pela Visita.

 

 

Referência:

Gestão de Valor da Marca ( Brand Value Management ) 2° Edição

Como criar e gerenciar marcas valiosas

Eduardo Tomiya

 

 

Designer da Cobra Coral, marca própria do Santa Cruz e PE Retrô. Pós Graduando MBA em Branding e Design Estratégico. Atleta e Filho de Deus.

Post a Comment